Alunos

 

“Análise das Possibilidades de Recuperação das áreas degradadas em função da localização de Aterros de Resíduos Urbanos.”

Adriana de Souza e Silva Riscado Fassbender

 

Data da Defesa: 26/04/2013

 

Orientadora: LOUISE LAND BITTENCOURT LOMARDO

 

Resumo:

 

RESUMO

Este trabalho tem como objetivo avaliar áreas deterioradas pela presença de Aterros de Resíduos Sólidos Urbanos, proporcionando uma visão ampla do comportamento no âmbito geral das diversas formas de disposição de resíduos e as suas implicações e consequências junto à população de áreas urbanas direta ou indiretamente envolvidas.

O presente estudo trata da “contaminação urbana”, decorrente das atividades permanentes da disposição de resíduos sólidos urbanos, tomando como estudo de caso o município de Miguel Pereira, RJ. A ideia de realização do mesmo se deu ao longo das minhas inquietações no acompanhamento do processo de crescimento do acúmulo de resíduos na cidade onde resido aliados ao estudo da Linha de Pesquisa em Espaço Construído e Meio Ambiente, onde poucos profissionais Arquitetos e Urbanistas estão diretamente envolvidos em questões relacionadas à disposição de resíduos. Dentro desta Linha de Pesquisa podem-se traçar caminhos cada vez mais amplos e de grande importância na busca de estratégias para melhoria na qualidade de vida da população e a preservação do meio ambiente.

Perante as diversas inquietações referentes à situação ambiental em todo o planeta, ressalta-se, neste trabalho, a questão relacionada à exposição a que se submetem as populações habitantes no entorno de regiões onde se localizam as áreas de aterros e as possibilidades de estratégias para recuperação e revalorização de áreas circunvizinhas aos mesmos.

Palavras-chave: Aterros, Resíduos Sólidos Urbanos, População, Recuperação.

 

 

 

 

 

 

 

 

“Cidades Criativas : A Construção de um Ideário e sua Influência na Cidade do Rio de Janeiro.”

AmandaWanis Teixeira

 

Data da Defesa:21/03/2013

 

Orientadora: Fernanda Ester Sanchez Garcia

 

 

Resumo:

RESUMO

O ideário das ‘cidades criativas’ está presente, em nível internacional, nas agendas das cidades e tem sido apropriado por alguns atores públicos e privados no Rio de Janeiro, num momento em que a cidade se prepara para receber grandes eventos, como Olimpíadas e Copa do Mundo. Reconhecer quais ideias de cidade estão surgindo na apropriação e adaptação deste ideário no território da cidade do Rio de Janeiro é de grande relevância, já que , segundo a gestão municipal, este está sendo ‘requalificado’ na presente ocasião. Nos atuais processos de franca transformação urbana, é notável a tentativa de construir uma imagem de cidade ‘boa para os negócios’. Nesse sentido, é importante identificar as disputas simbólicas travadas entre os diferentes atores por sua ação no território, assim como as percepções dominantes que influenciam a construção e afirmação do ideário de ‘cidade criativa’ e as relações com o chamado ‘momento Rio’. Para tanto, este trabalho realiza o reconhecimento de alguns sujeitos, ideias-força e processos que configuram o ideário, como a chamada ‘economia criativa’, recorrendo à análise do discurso, suas orientações e intenções, além da identificação das plataformas de sua difusão, com sua chegada ao Rio de Janeiro. A partir da desconstrução do ideário, buscamos perceber como a versão carioca de ‘cidade criativa’ vem se configurando no território, quais disputas estão sendo travadas e as linhas dominantes de entendimento do ideário. Com esse reconhecimento, por meio de pesquisa documental – seja por eventos, matérias em jornais ou entrevistas – são desveladas imagens-síntese sobre a relação entre ‘cidade criativa’ e megaeventos no Rio de Janeiro, que indicam a percepção da ‘cultura como plataforma de venda da cidade’. Este trabalho busca, portanto, contribuir para a ampliação do debate contemporâneo em relação aos processos culturais urbanos, principalmente no que diz respeito à construção do ideário de ‘cidade criativa’ e seus impactos na cidade do Rio de Janeiro.

Palavras-chave: cidade criativa; economia criativa; disputas simbólicas; cidade-marca; cultura como negócio; megaeventos; Rio de Janeiro.

 

 

 

“Arquitetura & Gênero. O Resgate de Pioneiras no Cenário Profissional.”

Cinthia Lobato Serrano

 

Data da Defesa:25/03/2013

 

 

Orientadora:Marlice Nazareth Soares de Azevedo

 

 

Resumo:

 

RESUMO

 

O resgate histórico das pioneiras no cenário profissional tanto da arquitetura quanto de áreas afins é um tema ainda pouco explorado no ambiente acadêmico. Este trabalho busca o entendimento sobre a evolução social feminina, seu ingresso no ambiente universitário e a conquista do mercado de trabalho. É realizado um estudo sobre o papel feminino na sociedade, o ensino de arquitetura no Rio de Janeiro, análise dos livros de matrículas e dos recebimentos de diplomas da ENBA – Escola Nacional de Belas Artes – no período do início do século XX até 1944, e dos registros profissionais do CREA-RJ, de forma a buscar as profissionais que conquistaram um espaço no ambiente predominantemente marcado pela presença masculina. Buscado revelar alguns aspectos dessa conquista no âmbito mais restrito esta dissertação focaliza, por diferentes razões, as trajetórias da arquiteta Déa Paranhos, engenheira Carmem Portinho e arquiteta Lina Bo Bardi como figuras representativas desse cenário da primeira década do século XX.

Palavras-chave: Gênero, Feminismo, Mulher, Atuação Profissional, História da Arquitetura.

 

 

 

“Segregação, Deslocamento e Fluidez – Estudo de Caso sobre os Impactos Viários Resultantes da Implantação de Condomínios Fechados na Região Oceânica na Cidade de Niterói.”

Claudia Maria Rodrigues Da Costa

 

Data da Defesa:20/02/2013

 

Orientadora: Dinah Tereza Papi de Guimaraens

 

Resumo:

 

O presente trabalho tem como objetivo principal, identificar os principais

impactos provocados pela implantação de condomínios horizontais fechados,

na cidade de Niterói, que surgiram amparados pela idéia desse binômio:

natureza / tranqüilidade à cidade / caos, mas que no desenvolvimento da

pesquisa, pode-se observar que essa combinação dicotômica nem sempre é

verdadeira.

A Região Oceânica foi a área escolhida, principalmente

por reunir um numero significativo de condomínios do mesmo padrão,

possibilitando assim uma investigação mais detalhada desse modelo de

segregação residencial.

O recorte proposto pela dissertação permitiu o estudo de

caso, onde se analisa o impacto viário causado pelo deslocamento dos

moradores dos seis condomínios residenciais selecionados para a pesquisa,

que serão tratados como Pólos Geradores de Viagens (PGVs).

Para o estudo de caso, o trabalho buscou analisar dados

estatísticos do município fornecidos pelo órgão oficial de trânsito, NITTRANS

(Niterói, Transportes e Trânsito S/A), para melhor entender os conflitos na

malha viária, que foi o foco do estudo.

Palavras Chave:

 Mobilidade Urbana;

 Acessibilidade;

 Morfologia;

 Expansão (ou Dispersão) Urbana;

 Pólos Geradores de Viagens;

 Condomínios Horizontais Fechados.

 

 

 

 

 

“A Iluminação nas Edificações: Uma análise crítica da atual regulamentação Brasileira para a análise do Nível de Eficiência Energética de Edifícios Comerciais, de serviços e Públicos (RTC-C).”

Cláudio Magnanini

 

Data da Defesa:25/02/2013

 

Orientadora:Louise Land Bittencourt Lomardo

 

Resumo:

 

No Brasil, a questão da certificação energética das edificações, embora recente, está crescendo rapidamente, inclusive com previsão de compulsoriedade em alguns anos. A legislação atual está sendo implementada por meio de Portarias do INMETRO em seus diferentes aspectos técnicos e legais e considera prédios comerciais, de serviços e públicos como sendo todas as edificações com área construída igual ou superior a 500 metros quadrados e/ou com alimentação elétrica em média ou alta tensão, desde que os mesmos não sejam voltados para atividades totalmente residenciais ou industriais. Esta classificação tem por objetivo atender o maior número possível de casos, porém esta grande abrangência permite em alguns casos que prédios tecnicamente ineficientes no aspecto do consumo energético possam ser classificados como sendo eficientes segundo a metodologia brasileira atual. Nosso objeto de estudo é representado pelos prédios comerciais e para estudo de caso, foi considerado um prédio do segmento de supermercados. Este segmento foi selecionado devido a sua participação expressiva no PIB comercial e por se caracterizar, não raras vezes, de uma situação não tratada adequadamente pela regulamentação atual, devido a possuir áreas expressivas de estacionamento, cargas significativas de refrigeração e vastas áreas externas iluminadas, cuja influência é subestimada ou não considerada atualmente.

Palavras-chave:

eficiência energética, iluminação, certificação, RTQ, RTQ-C.

 

 

 

“As Propostas de Integração das Favelas Cariocas à Cidade Formal e as Disputas pelos Benefícios Gerados: Valorização da Terra e o Saldo da Dívida Social.”

Daniel Yuhasz

 

Data da Defesa: 22/03/2013

 

Orientadora: Fernanda Furtado de Oliveira e Silva

 

Resumo:

 

AS PROPOSTAS DE INTEGRAÇÃO DAS FAVELAS CARIOCAS E AS DISPUTAS

PELOS BENEFÍCIOS GERADOS: O VALOR DA TERRA E O SALDO DA DÍVIDA

SOCIAL

Esta dissertação examina alguns limites dos programas de urbanização e

regularização de favelas no município do Rio de Janeiro, desenvolvidos desde a

década de 1990 – Favela-Bairro e Morar Carioca – tendo como eixo de análise os

impactos no valor da terra proporcionados por esses programas. O trabalho toma

como base a identificação de importantes olhares para o fenômeno das favelas na

cidade do Rio de Janeiro registrados na bibliografia e a realização de uma

investigação em registros de mídia impressa dos usos da expressão “dívida social”,

como forma de construir relações entre favela, pobreza e direito à moradia. Busca-se

compreender as principais referências dos programas de urbanização e regularização

de favelas que propõem a integração desses assentamentos informais à cidade, ainda

que se deva considerar, nos dias atuais, que favela é cidade. A dissertação obtém nas

teorias do uso do solo nas cidades capitalistas, com fundamentos no campo da

economia urbana, uma base conceitual para melhor entender como se concebem os

interesses e ocorrem as disputas pelo uso e ocupação do solo na cidade e em

especial nas favelas, antes e depois da urbanização e regularização. Analisando a

escassez e fragilidade das estratégias presentes nesses programas para lidar com os

impactos no valor da terra, tendo em vista os possíveis efeitos perversos relacionados

às disputas pelos benefícios gerados e, por outro lado, os instrumentos do campo do

planejamento urbano que podem incidir sobre esses processos, o trabalho culmina

com a realização de uma pesquisa de caráter qualitativo com agentes que direta ou

indiretamente influenciam a formulação desses programas. Os resultados da pesquisa

permitem mapear os diversos entendimentos envolvidos, contribuindo para o avanço

na compreensão da distância ainda existente entre a teoria e a prática envolvidas no

desenvolvimento de programas de urbanização e regularização de favelas.

Palavras chave: favela. programas de urbanização, regularização e integração de

favelas. valorização da terra. dívida social. Rio de Janeiro.

 

 

“a CIDADE DO MORADOR DE RUA E O MORADOR DE RUA NA CIDADE.”

Deyvid Fernando Dos Reis

 

Data da Defesa:15/03/2013

 

Orientador:WertherHolzer

 

 

Resumo:

 

 

O número de moradores de rua tem aumentado a cada ano no Brasil, o modo de vida dessas pessoas se faz cada vez mais presente em nossa sociedade, no entanto, existem ainda, poucas pesquisas que procuram compreender este modo de vida. Neste sentido busquei através desta dissertação transcender o discurso estigmatizador que é feito sobre o modo de vida dos moradores de rua, para alcançar as essências que compõem o fenômeno de se habitar as ruas. Revelando a partir dessas essências o que é ser e quem são os moradores de rua, como se relacionam com o mundo em que vivem e como se apropriam dos lugares experienciados.

 

Palavras-chave :Morador de rua; Lugar; Lugaridade e Territorialidade; Nomadismo e Errância.

 

“O Potencial e as Limitações do BIM – BuildingInformatiomModelling para o Atendimentoda ABNT NBR 15575.”

Fernanda Fonseca De Melo Coelho

 

Data da Defesa: 25/03/2013

 

Orientador: Sergio Roberto Leusin de Amorim

 

Resumo:

 

Este trabalho tem como principal objetivo avaliar o potencial de uso do BIM para a

realização de algumas verificações de desempenho pelos arquitetos nas etapas

iniciais de projeto, segundo os critérios da ABNT NBR 15575. Este estudo é

motivado pela vigência próxima desta norma, seu caráter de compulsoriedade, e os

riscos de sua exigibilidade em função das deficiências da cadeia produtiva da

construção civil, que dificultam o atendimento da mesma. Além disso, parte das

seguintes premissas: i) as metodologias e procedimentos de avaliação de

desempenho estão distantes da prática dos escritórios de arquitetura e são

realizadas na maior parte dos casos por consultores externos nas etapas finais do

processo de projeto; ii) os maiores benefícios em termos de custo e desempenho

ocorrem quando estas questões são abordadas desde as etapas iniciais de projeto;

iii) a maior parte dos softwares de simulação de desempenho apresenta interface

complexa, o que dificulta a incorporação destes pelos arquitetos nas etapas iniciais

de projeto. Neste trabalho apresentamos alguns recursos do software de concepção

de projeto REVIT, desenvolvido dentro da lógica BIM, que possibilita a realização de

algumas das verificações de desempenho previstas na ABNT NBR 15575. Em

função da interface mais simplificada em comparação com os softwares focados na

realização de simulações, ele pode contribuir para a incorporação das avaliações de

desempenho pelos arquitetos nas etapas iniciais de projeto.

Palavras-chave: Desempenho de Edifícios, Processo de projeto, Modelagem da

Informação da Construção.

 

 

“Maré: Território da Resistência.”

Geraldo Dos Santos Pedro

 

Data da Defesa:19/02/2013

 

Orientador: Dinah Tereza Papi de Guimaraens

 

 

 

Resumo:

Essa dissertação versa sobre o bairro da cidade do Rio de Janeiro conhecido como Maré. O bairro da Maré é um territorio composto por dezesseis localidades, advindos de processos de ocupação habitacional urbana de baixa renda, tanto espontaneos como institucionalizados pelo Governo o que lhe confere grande riqueza e variedade na sua forma urbana.

Palavras-chave:

Maré, exclusão, equipamentos urbanos.

 

 

 

“Decodificando a Cidade: Forma, Imagem e História na Classificação Tipológica do Centro da Cidade do Rio de Janeiro.”

Guilherme Meirelles Mesquita De Mattos

 

Data da Defesa:11/03/2013

 

Orientador:José Simões de BelmontPessôa

 

Resumo:

A dissertação tem como proposta a elaboração de um método de classificação tipológica

das edificações, considerando três aspectos – a forma, a imagem e a história, com objetivo na

contribuir na decodificação da forma das cidades. Para demonstrar a aplicabilidade da

metodologia produzida, duas áreas do Centro da Cidade do Rio de Janeiro foram tomadas como

objeto de estudo: o Castelo e a Cinelândia. Na construção do método, partiu-se do principio que o

espaço urbano é uma composição de diferentes elementos que lhe conferem sua identidade. Estes

podem ser relacionados entre si, através de agrupamentos definidos a partir de suas similaridades

ou diferenças. Focando a análise destes nas edificações e suas características físicas, estabeleceu-se

a associação dos agrupamentos com o termo tipo. Definindo a leitura tipológica como base da

abordagem metodológica, buscou-se embasar a análise com conceitos extraídos de autores que

trabalham com a temática da decodificação urbana, transpondo-as para o estudo das edificações.

Com relação à forma destas, estudando sua volumetria e implantação em lotes urbanos, foram

revisadas as obras de Caniggia (1979/1995) e Lamas (1993/2010). Acerca da imagem que estas

conferem à paisagem urbana, adotou-se as obras de Lynch (1960/1997; 1972) e Cullen (1961/2008),

e incorporou-se a análise individual do ritmo e da linguagem estética de suas fachadas. A história

teve como base conceitual a obra de Kostof (1991/1993; 1992/2005), procurando datar as

edificações e seus tecidos correspondentes. O método proposto parte da hipótese de que os

critérios estabelecidos para análise devem ser os mais genéricos possíveis, e que este se transforma

conforme sua aplicação no objeto de estudo. A aplicação do método no Castelo e na Cinelândia

identifica particularidades das áreas, e desvenda seu processo de construção. O inventário

tipológico produzido nas áreas configura-se como uma síntese dessa aplicação, que explicita

resumidamente as características físicas das edificações analisadas, podendo estas estabeleceram

diretrizes de inserção arquitetônica contextualizada ao entorno, e como o resultado da

compreensão e decodificação de sua forma urbana.

Palavras-chave: tipologias arquitetônicas; espaço urbano; morfologia urbana; história urbana; Rio

de Janeiro;

 

 

“BIM (BuildingInformatiomModelling): uma Inovação Tecnológica no processo de concepção de edifícios.”

Paulo José Da Silva Junior

 

Data da Defesa: 26/03/2013

 

Orientador: Jorge Azevedo de Castro

 

Resumo:

 

O Brasil passa por um momento de aquecimento econômico e crescimento do

setor da construção civil. Essa expansão do mercado vem acompanhada de forte

competitividade e busca por melhoria da qualidade dos produtos e processos. A

adoção de inovações é uma forma de obter vantagens competitivas e aumento do

desempenho. Contudo o processo tradicional de projetos na AEC é reconhecido

pela segmentação, hierarquização e baixa produtividade, com altos índices de

desperdícios e retrabalhos. As tecnologias da informação e comunicação (TIC)

representam inovações tecnológicas que o mercado da construção civil tem

buscado para melhorar os índices de produtividade do setor. O BIM – Building

InformationModelingou Modelagem da Informação da Construção é uma

inovação tecnológica que transforma o processo tradicional de projeto de edifícios,

através de um novo paradigma tecnológico que abarca todo o ciclo de vida do

edifício, com aumento da produtividade, redução de erros e benefícios para todo

setor. Mas para usufruir todos os benefícios oferecidos por esta inovação é

imprescindível planejar o processo de implantação avaliando os riscos e

dificuldades associados. Espera-se com este trabalho contribuir com a difusão e

incentivo para implantação da inovação tecnológica BIM em toda cadeia de

projetos.

Palavras-Chave: Inovação tecnológica. Inovação radical. BIM. Building Information

Modeling. Processo de projeto. Implantação da inovação

 

 

 

“AVALIAÇÃO ACÚSTICA DE SALAS DE CONFERÊNCIA SITUADAS EM AMBIENTE ESCOLAR.”

Ney José De Abreu Filho

 

Data da Defesa:26/02/2013

 

Orientadora: Louise Land Bittencourt Lomardo

 

Resumo:

 

Nesta dissertação de mestrado foi elaborado um estudo comparativo de salas de conferências inseridas em ambientes escolares, caracterizando cada uma de acordo com seus parâmetros acústicos. Estes ambientes, dedicados à audição da palavra falada, exigem qualidade acústica desde sua concepção no projeto arquitetônico. Efetuou-se um levantamento das características físicas tais como: comprimento, largura, altura, áreas, volume e materiais de acabamento de cada sala de conferência. Para a medição acústica foi utilizado um sistema informatizado para análise de parâmetros acústicos de ambientes e da inteligibilidade da fala com o programa de computador ARTA 1.7.1, através do método da resposta impulsiva. Com este sistema foi possível efetuar a medição de diversos parâmetros acústicos. Foram analisados, além do Tempo de Reverberação (TR), outros parâmetros como: Tempo de Decaimento Inicial (EDT), Tempo Central (Ts), Clareza (C50), Definição (D50), Índice de inteligibilidade da fala (STI) e o Nível de Ruído Ambiente (Lra). De acordo com os resultados das medições efetuadas ficou evidente que os ambientes que foram projetados inicialmente para sala de conferências podem obter características acústicas superiores, quando comparados aos ambientes apenas adaptados para este uso.

Palavras chave: acústica, salas de conferências, inteligibilidade, reverberação, salas de aula.

 

 

 

 

 

 

 

 

“Cidade Sustentável, que futuro? uma contribuição a interpretações possíveis – olhando o Rio de Janeiro.”

Rafael Ramos Koury

 

 

Data da Defesa: 27/03/2013

 

Orientador: Thereza Christina Couto Carvalho

 

Resumo:

A cidade do Rio de Janeiro está tornando-se progressivamente mais sustentável? Embora muitos investimentos estejam sendo realizados nas primeiras décadas do século XXI, legitimados por discursos que sinalizam este objetivo, uma observação sobre os indicadores de qualidade e justiça ambiental e social no Rio revela assimetrias e impactos variados sobre o meio ambiente e os grupos sociais. A distribuição dos benefícios e possíveis prejuízos dos processos de transformação urbana presentes revela o desfavorecimento recorrente das populações mais pobres. Com a expansão urbana acelerada e o crescimento da população, percebesse que os serviços públicos, tais como saneamento, educação e saúde, nem sempre acompanham o crescimento da demanda. Para responder à pergunta inicial, tornase necessário definir a sustentabilidade segundo sua formação histórica e os principais autores que contribuíram para este processo. Também é importante refletir sobre os métodos e possibilidade de valoração de indicadores ambientais, sociais, econômicos, institucionais e territoriais. Este trabalho pretende verificar algumas assimetrias no processo de desenvolvimento urbano experimentado pelo Rio de Janeiro, a partir do reconhecimento de duas centralidades distintas da cidade: Madureira e a Barra da Tijuca.

Palavras-chave: urbanismo, justiça ambiental, sustentabilidade.

 

 

“POLÍTICAS E PROGRAMAS HABITACIONAIS NO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO. UMA AVALIAÇÃO DA EXPERIÊNCIA (1979-2002).”

Silvia Carvalho Barboza

 

Data da Defesa:20/09/2013

 

Orientador: Gerônimo Emílio de Almeida Leitão

 

Resumo:

 

O tema desta dissertação surgiu como desdobramento de um questionamento constante a respeito dos limites e possibilidades das transformações físicas e sociais dos espaços das favelas, através das intervenções realizadas pelo poder público nas comunidades carentes. O desenvolvimento deste trabalho caminhou no sentido de analisar essa questão. A partir de uma investigação das trajetórias do Projeto Mutirão e do Programa Favela-Bairro, perpassando pela história da habitação popular no Brasil e dos movimentos populares em prol da reforma urbana e por cidades mais justas. O Projeto Mutirão, desenvolvido pela Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social e que teve seu início em 1981, surgiu da necessidade de encontrar soluções para o problema de saneamento básico e abastecimento de água que pudessem, através de um trabalho comunitário, eliminar as valas negras das favelas que se apresentavam como um sério risco à saúde pública. Os trabalhos técnicos e sociais desenvolvidos pelo Projeto Mutirão nas décadas de 1980/90 tiveram como objetivo, também, o estímulo à participação coletiva, contribuindo para o avanço da consciência política e da organização popular para a conquista de sua cidadania. Alguns dos pressupostos do Projeto Mutirão era a criação de espaços coletivos para discussões públicas e, com estes, a melhoria da organização dos moradores de cada favela e o incentivo às lutas que já ocorriam no cotidiano das favelas. Visava, primordialmente, ao fortalecimento das formas próprias de organização dos moradores de cada favela. Esta experiência foi decisiva para implantação do Programa Favela Bairro. A Secretaria Municipal de Habitação foi criada em 1994, após aprovação dos vereadores, e sua constituição teórica e prática baseou-se nas experiências acumuladas do Projeto Mutirão e das demais Secretarias e Órgãos que já atuavam na área de habitação popular, lançando nesta época, uma série de programas que visaram o atendimento da parcela mais empobrecida da cidade. Seu objetivo principal era o de expandir as ações realizadas pelos governos anteriores e se definiu como principal meta a compatibilização do direito individual com as possibilidades coletivas na construção de uma “Cidade Maravilhosa”.

Palavras-Chaves: Habitação Social. Urbanização de favelas. Política habitacional.

 

“A Gestão do PROCESSO DE PROJETO PARA CERTIFICAÇÃO DE EDIFÍCIOS: UMA ANÁLISE CRÍTICA DO RTQ-C

Diego Souza Caetano

Data da Defesa: 30/09/2013

Orientadora: Louise Land Bittencourt Lomardo

Resumo:

A Energia sempre foi a chave da evolução das civilizações. Esse fenômeno, que transforma recursos naturais em trabalho, consome recursos naturais produzindo rejeitos, mas também o combustível para as transformações sociais, econômicas e políticas ao longo dos séculos. As cidades vêm se transformando em pólos catalisadores desse consumo, e o edifício ganhando espaço como protagonista nesse processo, especialmente a partir da segunda metade do século XX com a eletricidade ganhando destaque no desenvolvimento dos equipamentos elétricos.

Abrigando e interagindo cada vez mais com equipamentos à base de eletricidade, o projeto de arquitetura acaba por influenciar intensamente o consumo energético e a sustentabilidade de um edifício. Diversas políticas de energia vêm se desenvolvendo na busca por reduzir esse consumo nos edifícios, especialmente a partir de 1970 com a Crise do Petróleo. No Brasil, somente em 2009 foi lançado seu primeiro código de desempenho energético, o RTQ-C.

Esta dissertação busca, apresentando os conceitos de sustentabilidade e suas intrínsecas relações com eficiência energética, o panorama mundial e nacional do consumo de energia em edifícios e das certificações e regulamentos a respeito, discutir o processo de implantação da regulamentação de eficiência energética nacional e como a atuação dos envolvidos, especialmente do arquiteto, pode contribuir para viabilizar a regulamentação em longo prazo.

Ao final, estão apresentadas propostas para colaborar com o desenvolvimento da regulamentação de eficiência energética no Brasil, na perspectiva da melhoria do desempenho energético do parque construído nacional.

 

 

 

“Dimensões do Controle no Rio de Janeiro: instrumentos para a construção de um novo Projeto de Cidade.”

Grasiele Márcia Magri Grossi

 

Data da Defesa: 25/09/2013

 

Orientadora: Fernanda Ester Sánchez García

 

Resumo:

 

O presente trabalho parte da compreensão do espaço urbano como meio de disputa e representação das relações de poder e dinâmicas sociais existentes. Ao tomar como referência autores como Foucault e Deleuze, busca-se realizar um breve reconhecimento das expressões de poder que perpassaram a história da humanidade, a fim de entendê-las como modalidades de dominação dos indivíduos e investigar suas representações espaciais. Este movimento de resgate permite identificar como modelo de poder vigente a sociedade do controle, forma de apreensão individual que atua por meio de tecnologia e mídias ultramodernas, buscando atingir a mente e o corpo do sujeito e garantir um controle extensivo de suas ações. Esta organização de poder, alinhada às novas temporalidades e dinâmicas produtivas, revela-se como instrumento eficaz para a perpetuação do capitalismo flexível. A partir desse entendimento, pretende-se aproximar a questão do controle ao contexto brasileiro, tendo em vista um momento de expansão econômica e reinscrição mundial do país. A cidade do Rio de Janeiro, que apresenta uma conjuntura marcada por amplas transformações socioespaciais em preparação para a Copa do Mundo de 2014 e os Jogos Olímpicos de 2016, é tomada como objeto de estudo. A proposição de um novo projeto de cidade, articulado segundo os interesses dominantes dos agentes públicos e privados nele envolvidos, aponta indícios da ação da sociedade de controle nesse território, por meio de uma atuação particular, que pretende ordenar e requalificar o espaço urbano e social. Nesse sentido busca-se discutir, a partir dos projetos, políticas, ações, dispositivos e discursos veiculados, as expressões de controle no Rio de Janeiro, em arranjos instrumentais à construção do atual projeto de cidade.

 

Palavras-chave:

controle, ordem, Rio de Janeiro, novo projeto de cidade.

 

 

“O projeto e a produção do espaço hospitalar na lógica pós-moderna: do hospital ao hotel”

Marcelo Rodrigo Fernandez Mendes

 

Data da Defesa: 30/09/2013

 

Orientador:Dinah Tereza Papi de Guimaraens

 

Resumo:

 

Esta Dissertação de Mestrado tem como tema a produção do espaço e do projeto hospitalar na lógica Pós-Moderna, focalizando o edifício hospitalar como objeto de análise central. A partir de uma compreensão histórica, desenvolve as bases para a questão da crise disciplinar no campo do Projeto de Arquitetura sob a perspectiva da lógica do capitalismo tardio. São apresentadas questões em um contexto geral de debate da produção do Projeto de Arquitetura e, no seu desenvolvimento, de uma maneira mais específica, o debate da produção do Projeto e Produção do Espaço Hospitalar. São desenvolvidos os aspectos conceituais da produção na rede privada de hospitais do Brasil, principalmente no que tange à questão da humanização do espaço hospitalar nos últimos 15 anos. O debate vai além de avaliações de aspectos técnicos, construtivos, econômicos, funcionais, estéticos e comportamentais do ambiente construído, mas trabalha também aspectos de semiótica, signos e símbolos presentes na Arquitetura e na produção desses espaços. Também apresenta um panorama da produção do espaço hospitalar no Brasil, a precariedade da rede pública de saúde, a ausência de políticas de saúde pública eficientes e o consequente surgimento e consolidação das grandes redes de hospitais privados no país. Através de dois estudos de casos que possuem em si propostas conceitualmente distintas, faz uma comparação que permitirá a avaliação entre o processo de produção do projeto e do espaço hospitalar na lógica “humanizadora” proposta por João Filgueiras Lima – o Lelé, e o processo na lógica dos hospitais “pós-modernos” das grandes redes de hospitais privados. Ao final demonstra que é necessário buscar um maior equilíbrio entre a tecnologia de que dispomos e uma atenção à saúde humanizada e personalizada, calcada nos valores e saberes de todos os atores que dela participam, sejam eles: pacientes, profissionais de saúde, administradores, arquitetos ou engenheiros; além de sugerir a inclusão de “novos” saberes que possam vir a contribuir para o aprimoramento da atenção à saúde dentro de um contexto de cidade, coletividade e inserção e integralidade.

Palavras-chave: 1. Arquitetura de hospital. 2. Planejamento hospitalar. 3. Edifício hospitalar. 4. Conforto ambiental (arquitetura). I. Título.

 

 

“CAMINHOS DO DESIGN URBANO NO SÉCULO XXI: a Barra da Tijuca de Lúcio Costa a Rio 2016.”

Marina Vasconcellos De Carvalho

 

Data da Defesa:30/08/2013

 

Orientadora: Dinah Tereza Papi de Guimaraens

 

Resumo:

 

Esta dissertação propõe uma reflexão sobre os caminhos do design urbano para o século XXI através da mobilidade de transportes. É proposta uma leitura da região da Barra da Tijuca desde o Plano Lucio Costa ao projeto Rio 2016 (Jogos Olímpicos), com a produção do design do espaço modernista e a nova produção do espaço com projeto dos sistemas linhas de BRTs, como legado olímpico. Um paralelo entre a produção do espaço da cidade e os caminhos que o design urbano tem tomado pelo mundo. Os novos caminhos do design urbano apontam para uma nova sintaxe espacial onde os BRTs se apresentam como uma das soluções, porém não a única, para o transporte de massa de passageiros. Uma reformulação de design urbano includente com sistemas viários, acessos e caminhos onde se priorizem o transporte público, se apresenta como construção de um novo paradigma de mobilidade e design urbano social e sustentável.

 

Palavras-chave:

Design urbano, mobilidade urbana, megaeventos, sintaxe espacial, Rio 2016.

 

 

 

“100 anos do apartamento carioca.”

Tatiana De Souza Gaspar

 

Data da Defesa:27/07/2013

 

Orientadora: Maria Laís Pereira da Silva

 

 

Resumo:

 

Esta dissertação tem como objetivo discutir sobre o processo de transformação das soluções tipológicas em apartamentos residenciais produzidos pela iniciativa privada e voltados para as classes mais altas da sociedade carioca durante o século XX. Nossa hipótese é a de que o apartamento carioca, que surge atrelado ao início do processo de industrialização no Brasil, ao longo do último século passa a representar aspectos mercadológicos e simbólicos próprios do sistema econômico que começa a se instaurar no país desde então, transformando também as relações espaciais e sociais na cidade. Desta forma, buscou-se abranger diferentes campos da conexão entre as relações espaço, tempo e lugar, segundo pesquisa histórica e abordagem de aspectos da evolução da cidade e formação de alguns valores mais amplos da sociedade em que se inscreve. A pesquisa contou, em especial, com o estudo de 74 plantas baixas de apartamentos tipo, projetados entre 1923 e 1983, nos bairros Centro, Tijuca, Glória, Flamengo, Botafogo, Copacabana, Ipanema, Leblon, Urca, Laranjeiras, Santa Teresa, Jardim Botânico, Lagoa e Barra da Tijuca. A análise dos projetos subsidiou a estruturação do trabalho a partir de três recortes temporais em que observamos o movimento de definição programática dos espaços internos desta tipologia, entre 1920 e 1940, seguido por sua consolidação, em meados do século, vinculada aos valores da moderna moradia na zona sul, e, finalmente, sua reafirmação expressa através do surgimento dos condomínios fechados na Barra da Tijuca. Por fim, o trabalho lança apontamentos sobre os valores anunciados em propagandas imobiliárias residenciais na cidade neste início de século XXI, diante das novas expectativas sobre o Rio de Janeiro face à retomada de sua posição de destaque como sede dos próximos megaeventos esportivos mundiais.

 

Palavras-chave: apartamento, soluções tipológicas, analise gráfica, Rio de Janeiro

 

 

 

“Autogestão habitacional e a Desmercantilização da Moradia: Análise dos avanços e retrocessos na região metropolitana do Rio de Janeiro.”

Tiago Souza Bastos

 

Data da Defesa:30/09/2013

 

Orientador: Gerônimo Emílio de Almeida Leitão

 

Resumo:

Este trabalho procura analisar os avanços e retrocessos ocorridos na luta pela

desmercantilização da moradia. Possuímos como espectro de análise os processos

de habitação autogestionária na Região Metropolitana do Rio de Janeiro (RMRJ).

Comumente observamos que os Movimentos Sociais Urbanos (MSUs) da região,

entoam como palavra de ordem “moradia não é mercadoria” em seus espaços de

discussão política. Buscamos analisar se tal assertiva vem se materializando em

ações concretas ou se há um dissenso entre a concepção e a práxis desse sujeito

social. Nossa hipótese é de que a luta pela desmercantilização da moradia passa

atualmente por retrocessos e que a lógica dominante de produção habitacional,

instaurada pelo programa “Minha Casa Minha Vida – Entidades” é um importante

fator para esses retrocessos. Elaboramos um quadro geral de toda a produção

habitacional por autogestão na RMRJ (empreendida pelos movimentos nacionais

representados na região, MNLM, CMP e UNMP), o qual, além de constar desde

suas origens até 2013, procura caracterizar as formas de gestão de uso dessas

habitações, dando prioridade a dois casos específicos: Cooperativa Shangri-lá e

Grupo Esperança. Estes correspondem respectivamente às origens da autogestão

habitacional na RMRJ e sua experiência mais recente já enquadrada no MCMV-E.

Procuramos testar nossa hipótese a partir da análise comparativa desses dois

estudos de caso. Shangri-lá possui um modelo de propriedade coletiva que

conseguiu conferir à moradia um caráter de resistência à lógica mercantil, enquanto

Esperança, ao se enquadrar nos moldes do MCMV-E, se estruturou em uma lógica

totalmente diversa. Buscamos a partir do referencial teórico, compreender esse

processo e sinalizar seus impasses e contradições, como uma metonímia dos

dilemas enfrentados pelos MSUs brasileiros nos últimos anos.

Palavras chave: Autogestão habitacional; movimentos sociais urbanos; cooperativas

habitacionais; desmercantilização da moradia.

 

 

“Paisagens do Despertencimento: O caso da Praça Carlos Gianelli no centro urbano de Alcantâra-São Gonçalo-RJ.”

Valentim Fernandes Veloso Tavares

 

Data da Defesa:30/09/2013

 

Orientador:WertherHolzer

 

Resumo:

 

O problema central deste estudo aborda as profundas alterações da paisagem urbana resultantes de processos como a supressão de espaços livres públicos, tendo como objeto de análise a perda da praca central do bairro de Alcântara, a Praça Carlos Gianelli, em São Gonçalo – RJ. Através da privatização ou pela alocação inescrupulosa de equipamentos, estão sendo apagados do imaginário urbano referências espaciais e marcos identitários, simbólicos e culturais, em processos resultantes e reafirmativos do despertencimento da população que, por sua vez, favorecem a produção de uma nova hegemonia política e religiosa que emerge sob o signo do egoísmo e da ganância. Não se trata apenas de lamentar aquilo que se caracteriza como perda, mas de refletir sobre a qualidade do que é reposto como uso e finalidade para a população, pois fica evidenciada a redução da qualidade urbana de suas paisagens, em cada um dos que vivem e percorrem seus espaços, seja em sua apatia política, atitudes, em seus semblantes ou mesmo nos seus desejos cada vez mais reduzidos por uma cidadania participativa, pois passam a enxergar a cidade mais como uma concessão e menos como um direito. Esta e as demais transformações previstas para o bairro configuram um processo da invenção de uma paisagem desenhada para abrigar essa nova hegemonia política e religiosa, mais alinhada com as novas necessidades do capitalismo tardio, que para exercer sua dominação simbólica, utiliza largamente artifícios semióticos, travando uma silenciosa disputa pelas mentes e corações dos indivíduos.

 

Palavras-chave: Alcântara; espaços livres públicos; paisagem cultural; paisagem urbana; pertencimento.